AQUI, FÁTIMA NORONHA TRAZ NOTÍCIAS DE SUA PEQUENA BRAZÓPOLIS, CIDADE DO SUL DE MINAS GERAIS.

E-MAIL DE CONTATO: fatinoronha@gmail.com ou jornalajanela@yahoo.com.br

27 de março de 2013

TEXTO: O Paradoxo do Nosso Tempo- George Carlin


Nós bebemos demais, fumamos demais, gastamos sem critérios, dirigimos rápido demais, ficamos acordados até muito mais tarde, acordamos muito cansados, lemos muito pouco, assistimos TV demais e rezamos raramente.

Multiplicamos nossos bens, mas reduzimos nossos valores. Nós falamos demais, amamos raramente, odiamos freqüentemente. Aprendemos a sobreviver, mas não a viver; adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos.

Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho. Conquistamos o espaço, mas não o nosso próprio.

Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores.

Limpamos o ar, mas poluímos a alma; dominamos o átomo, mas não nosso preconceito; escrevemos mais, mas aprendemos menos; planejamos mais, mas realizamos menos.

Aprendemos a nos apressar e não, a esperar.

Construímos mais computadores para armazenar mais informação, produzir mais cópias do que nunca, mas nos comunicamos menos.

Estamos na era do 'fast-food' e da digestão lenta; do homem grande de caráter pequeno; lucros acentuados e relações vazias.

Essa é a era de dois empregos, vários divórcios, casas chiques e lares despedaçados.

Essa é a era das viagens rápidas, fraldas e moral descartáveis, das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas "mágicas".

Um momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na dispensa.

Uma era que leva essa carta a você, e uma era que te permite dividir essa reflexão ou simplesmente clicar 'delete'.

Lembre-se de passar tempo com as pessoas que ama, pois elas não estarão por aqui para sempre. Por isso, valorize o que você tem e as pessoas que estão ao seu lado.


George Denis Patrick Carlin Nasceu em Nova Iorque a 12 de maio de 1937. Foi humorista, e autor . Pioneiro, com Lenny Bruce, no humor de crítica social. A sua mais polémica rotina chamava-se "Sete Palavras que não se podem dizer em Televisão", o que lhe causou, durante os anos setenta, vários dissabores, acabando preso em inúmeras vezes que levou o texto a palco.
Participou em vários filmes e séries de TV. Dublou ainda filmes de animação.
Em 22 de Junho, 2008, Carlin deu entrada no hospital com dores no peito, vindo a falecer. Tinha 71 anos. Sua morte ocorreu uma semana após sua última apresentação no Orleans Hotel e Casino de Las Vegas. Seguindo seus pedidos, Carlin foi cremado e suas cinzas espalhadas sem qualquer serviço de homenagens publicas ou religiosas.

Um comentário:

Célio & Octa Lopes disse...

Isso não é do George Carlin ! "Um dos itens mais embaraçosos a tomar a Internet / através de e-mails é uma carga sentimental de merda chamada "O Paradoxo do Nosso Tempo". O principal problema que tenho com ele é que, tão certo como alguns dos sentimentos expressos podem ser, quem realmente se importa? Certamente não eu.

Eu descobri anos atrás, que a espécie humana está totalmente fodida e tem sido assim por um longo tempo. Sei também que os doentios meios da cultura consumista na América continua a fazer este " problema" pior. Mas o truque, gente, é não dar a mínima. Como eu. Eu realmente não me importo. Parei de me preocupar com toda essa besteira temporal, há muito tempo atrás. É sem sentido. (Veja o prefácio de "braindroppings.")

Outro problema que tenho com "Paradox" é que as idéias são todas expressas em um tom de voz espécie de pseudo-espiritual, Nova Era, "Puxa-vida-não-pode-se-fazer-melhor-que-isto" . Não é só prosa e poesia ruim, é filosofia fraca. Espero nunca soar assim. George Carlin

Postar um comentário

Obrigada por dar a sua opinião.
Elogie, critique, mas faça isso com educação.
- Se seu comentário estiver com palavrões de baixo calão será excluído.